Siem Reap – Camboja

Durante nossa viagem pela Tailândia, escolhemos mais um país para visitar, o Camboja. Ficamos 3 dias e meio e vou contar um pouco de como foi nossa experiência nesse país.
Pegamos um voo da Air Asia de Chiang Mai até Bangkok e de lá pegamos outro até Siem Reap, Camboja.  O voo até o Camboja deu uma turbulência e foi tenso! Mas, passado o susto, chegamos! Logo de cara sentimos o calor que faz por lá e vimos como tem uma neblina pesada no horizonte. Na Tailândia fez calor, mas no Camboja… SENHOR! Até desanima. rs
Ficamos hospedados no Shadow Angkor Villa e foi um pouco decepcionante, o hotel que menos gostamos. De pontos positivos: localização, atendimento excelente, quarto grande, limpo, café da manhã maravilhoso e preço! De pontos negativos: não tinha elevador e nós ficamos no quarto andar (ter que subir com as mochilas foi ruim e voltar dos passeios mega cansados e ter que subir era foda!), o quarto demorava pra gelar porque o ar condicionado não dava conta do tamanho do quarto e do calor, o Wi-Fi também não foi bom. Enfim, tem opções melhores por lá.

No primeiro dia ainda deu tempo de ir pra rua passear e comer.
Em Siem Reap tem a Pub Street (seria a Koh San Road de Bangkok, comparando bem de longe rs!). Lá você encontra muitos barzinhos, restaurantes, lojinhas, etc. Preços muito bons, como, por exemplo, da cerveja que custava $0,50 (ah, lá só usamos dólar).

Apesar de muitas opções bacanas, também não tivemos sorte com comida. Vários restaurantes e a gente não acertava um pedido!
  • The World Lounge Restaurant: Cocktail: $2,50. Meu prato: batata assada com queijo e vegetais fritos. $4,25. Prato do Everaldo: hambúrguer de crocodilo $5,00. A comida não era ruim… mas também não era gostosa…

Pizzas por $8,00 a média e $9,00 a grande.

E, foi no Camboja, que a galera finalmente provou os quitutes de insetos!!!

A cara de Everaldo…. kkkkkkk

 Eu não comi, pois estou virando vegetariana, então não fazia nem sentido experimentar, mas todos os outros comeram. O veredito: a aranha e o escorpião são os piores. O grilo gostaram, pois disseram que tem gosto da casca do camarão.
O mais engraçado é que vários turistas passavam e ficavam chocados que eles estavam comendo mesmo! Inclusive umas mulheres que pareciam asiáticas (que ironia, né?) também ficavam passadas. kkkkkk
Como são comidas mais apimentadas, a gente comeu muita pizza e sanduíche. kkkkkk

SOBRE A COMIDA: Pratos por 6,50 dólares, pizza por 8,50, refrigerante 1,40 dólares, cerveja você encontra até por 0,25!!!
  • ANGKOR WAT: Angkor Wat (ou Angkor Vat) faz parte do complexo de templos construídos na zona de Angkor, antiga capital do Império khmer e está situado 5,5km a norte da cidade de Siem Reap.  É o maior e mais bem preservado templo dos que integram o assentamento de Angkor. É também o único que restou com importante significado religioso – inicialmente hindu, e depois budista – desde a sua fundação. O templo é o ponto máximo do estilo clássico da arquitetura Khmer. É considerado como a maior estrutura religiosa já construída e um dos tesouros arqueológicos mais importantes do mundo. Fonte: Wikipédia
Como visitamos primeiros os templos na Tailândia, a diferença é total! Inclusive dá para notar entre os templos com força no budismo e os do Angkor onde predominou mais a influência do hinduísmo. Menos nós que somos leigos conseguimos a distinção entre as duas.
VALORES E HORÁRIOS
Quando fechamos a viagem (Outubro de 2016), o valor do passe para visitar os templos em 3 dias estava por 40 dólares, mas o preço aumentou em 2017, então para os 3 dias ficaria por 62 dólares. Se fôssemos pelo menos dois dias, compensaria comprar o passa para 3 dias, mas nossa intenção realmente foi visitar templo em um dia só.
Passe 1 dia: 37 dólares
Passe 3 dias: 62 dólares
Passe 7 dias: 72 dólares
Horário de funcionamento: das 5 da manhã às 17h.
O QUE VESTIR E LEVAR: Parece até fútil fazer um tópico sobre que “look” usar, mas nos templos você precisa estar vestido de acordo para poder entrar, mas principalmente por uma questão de respeito.
Com o calor que faz na Ásia nesse período (fomos em Março), a vontade que dá é usar shortinho e regata, mas não cometa esse erro, pois você pode e provavelmente será proibida de entrar.
TAKE A NOTE: roupas mais leves possíveis, mas que não sejam transparentes e nem mostrem os ombros e joelhos.
Saia midi, comprida ou calça ou até bermuda que cubra os joelhos. Camiseta. Chinelo e óculos de sol. Se quiser, até um chapéu é uma boa.
Leve protetor solar! Também aconselho levar muita água, pois o Camboja é muuuuuito, mas muuuito quente.
Ah, no Camboja você acha muita opção de calça de tecido leve e blusinhas por preços muito bons, tipo, 3 dólares! Vale a pena deixar para comprar lá! Essa que usei comprei na Renner no Brasil e foi ótimo, mas se eu soubesse que iria encontrar tanta coisa linda lá, teria esperado.
COMO IR AO ANGKOR
Nós optamos por um guia privativo. Fechamos com o Me Bunthy ou senhor Thy, um cara super paciente e fofíssimo que eu queria trazer para casa de lembrança! kkkkk
Valeu a pena, pois o carro dele era muito bom, confortável e grande (estávamos em 5 pessoas). Recomendo, pois foi muito cômodo, ele deixava nas entradas dos templos e pegava no final, o carro estava sempre geladinho (e olha, isso faz diferença no calor insuportável do Camboja!).
ONDE COMER
Depois de algumas horas visitando os templos, o senhor Thy nos levou para almoçar no Jungle Restaurant.
MUSEU DA GUERRA – WAR MUSEUM CAMBODIA
Esse museu não estava nos planos, mas resolvemos ir. Não recomendo, sim, logo de cara. Rs! Gastamos meia hora para ir e meia hora pra voltar e não é tão interessante assim. Talvez por não termos optado por uma visita guiada fez com que não fosse legal, em todo caso é um lugar com algumas coisas da época da guerra e algumas histórias também.
  • The Great Escape. Foi massaaaaaa!!! Outra opção do que fazer no Camboja se você estiver abusado de templos como nós estávamos!  O The Great Escape é uma sala no qual você fica trancado e tem que procurar as pistas para abrir os cadeados e conseguir sair da sala.  Nós pegamos a sala The Lost Room e foi muito legal, mas mesmo com 5 pessoas não conseguimos abrir a sala antes do tempo e tivemos que pedir dicas. O legal é que no Brasil você também encontra. Inclusive em Recife! Com certeza vamos!
Valor: $12,00
Site: http://greatescapecambodia.com/ No terceiro dia ficamos no hotel e a noite embarcamos para Bangkok.
Lá tem muitas lojinhas e feirinhas e você encontra bastante coisa legal e com preço bom (em dólar). Comprei uma calça linda por 3 dólares e me arrependi de não ter comprado mais, porque achava que iria encontrar nas ilhas também e não tinha.
Espero que gostem do post e qualquer dúvida, nos mandem!
Beijos,
Gab

Tatuagem de bambu em Chiang Mai

No nosso terceiro e último dia em Chiang Mai, ficamos na dúvida do que fazer, se iríamos tentar o rafting ou se iríamos fazer um bate e volta até Chiang Rai. No fim, acabamos indo fazer tatuagem! Kkkkk
Durante o planejamento do roteiro, a gente tinha pensando em fazer tatuagens lá, só que com os monges, mas depois de ver que iria ser complicado fazer da forma como a gente imaginava, deixamos em aberto, tipo, se der, deu. Como ficamos nessa indecisão do que fazer no último dia, quando eu sugeri a tatuagem todo mundo topou na mesma hora.
Também seria bom, pois antes de ir para as ilhas, passaríamos uns dias no Camboja, ou seja, daria tempo de cicatrizar. Bom, na noite anterior fomos em dois estúdios de tatuagem (é relativamente fácil encontrar, principalmente em Bangkok e nas ilhas, Phi Phi, então, tinha aos montes).  No primeiro que fomos, odiamos o cara! Muito estranho, irônico, ficava rindo da nossa cara. Não passou nenhuma segurança.
Já no segundo estúdio que fomos, adoramos e foi no qual fizemos. O estúdio escolhido foi o Forever Tattoo. A mulher da recepção que foi com quem acertamos tudo fala inglês e foi muito gente boa. Conseguimos agendar logo pro dia seguinte as 5 tatuagens!
Escolhemos lá na hora mesmo o desenho, ela imprimiu e colocamos com fita durex no local para ver se gostávamos do local e do tamanho. Com base nos tamanhos ela deu os valores. Nesse lugar eles cobram R$270,00 a cada hora. A minha ficou por esse valor. A do Everaldo ficou por R$540,00 por ser maior e mais detalhada. Ah, e foram feitas com bambu! Gravamos vídeo e depois vou colocar tudo no YouTube! É tipo um pontilhado!  Eu escolhi a tatuagem Hah Taew (5 linhas):

 As Cinco Linhas tiveram origem nos quatro elementos (terra, ar, fogo e água) combinados com o quinto elemento que é Buda. Cada uma das linhas confere uma proteção que em tradução livre significa:
* A primeira linha protege contra injustiças, espanta a negatividade e protege o lugar que se vive (casa).
* A segunda linha protege contra a má sorte, invertendo os maus fluidos para positivos.
* A terceira linha protege contra magia negra e qualquer pessoa que tente fazer algo contra você.
* A quarta linha energiza sua boa sorte, sucesso e fortuna nas ambições e estilo de vida.
* A quinta linha aumenta o carisma e atração nos relacionamentos amorosos.
Fiz porque gostei do significado e achava linda a da Angelina Jolie (mesmo local e mesma tattoo!). Doeu muuuuito menos do que com máquina! Incomodava mais a posição que era ruim do que a tatuagem em si.

É claro que a experiência de fazer com um monge teria sido bem mais legal, mas também ficamos com receio por conta da higiene (é bom pesquisar bem!) e lá nesse estúdio é tudo descartável e certinho. Até a cadeira que a gente senta eles trocam o plástico! Super recomendo.

Durou 1 hora.

Eu ameiiiii o resultado!!! Queria ter feito outras, pois o valor era muito bom, mas como ainda tinha muita viagem pela frente, deixamos pra lá.

Os cuidados: tivemos que ficar uma hora com o curativo e no primeiro dia não lavar com sabão. No segundo dia já podia lavar normal com sabão e passar bepantol. Nas praias, muito protetor solar.

Beijos!

Elephant Nature Park – centro de reabilitação de elefantes

Nunca foi um sonho conhecer o sudeste da Ásia, confesso, mas assim que decidimos ir e comecei a pesquisar, fui me apaixonando. De cara falei logo que minha prioridade na viagem era fazer o passeio dos elefantes.
Pesquisei vários blogs e tinha amado um que podia andar em cima do elefante, eles tiravam altas fotos profissionais, enfim, parecia o passeio mais especial do mundo, BUT comecei a pesquisar mais sobre o assunto e foi aí que veio o choque da realidade…
Para você andar em cima de um elefante, ele precisa ser treinado e a forma como eles fazem isso é extremamente CRUEL! Os filhotes são separados da mãe, acorrentados, perfurados, enfim, não gosto nem de falar muito porque é algo que me revolta e me entristece de uma forma que não consigo nem expressar para vocês. É tão triste que quando estávamos em Ayutthaya passamos por um lugar que oferece passeios com elefantes e eu os vi nessa situação e comecei a chorar.
Quem quiser ler mais sobre o assunto (imagens fortes):
Bom, daí foi quando descobrimos que em Chiang Mai existe um centro de reabilitação de elefantes, mas também de cachorros, gatos, cavalos, búfalos, etc. Não tive dúvida de que era o passeio ideal e gente, foi MUITO MAIS ESPECIAL DO QUE EU PODERIA IMAGINAR! Todo mundo do grupo concordou e fechamos com o ELEPHANT NATURE PARK. Tudo pela internet, com antecedência, mas muito prático, e-mails respondidos de forma rápida. Custou R$250,00 por pessoa e valeu cada centavo.
Chegamos em Chiang Mai dia 9 de Março e nosso passeio ficou para o dia 10. Nos buscaram e deixaram no hotel, sem atrasos. Durante a ida, eles passam um vídeo mostrando tudo o que contei no começo do post, tudo o que os elefantes passam para serem treinados. Eu nem aguentei ver de novo, mas quem ainda não tinha visto ficou bem para baixo.
Bom, aí depois de 5 meses de espera, o grande momento de ver e estar perto dos elefantes tinha finalmente chegado. Assim que chegamos, fomos avisados para não ultrapassar a linha vermelha e evitar o contato com eles, pois como é um centro de reabilitação, ali tem animais que foram maltratados, machucados, cegos… Deu até um certo receio e medo e pensei que durante todo o passeio seria eles lá e a gente cá. O primeiro contato foi alimentar esses gigantes. Eles de um lado e a gente do outro. Mas foi muito divertido. A elefanta chegou, demos a comida e rimos quando ela quis comer uns pedaços da fruta e outros não.

Bom, logo depois fomos caminhar. Durante todo o percurso o grupo tinha que se manter junto, por segurança. A primeira elefanta que vimos estava em um quiosque e começamos a tirar fotos de longe mesmo. Aí a elefanta foi vindo. Desde o começo pediram que a gente tivesse cuidado, que não chegasse perto, não encostasse. Essa elefanta era cega de um olho, então teríamos que ter mais cuidado ainda porque ela poderia ter alguma reação de estranhamento e acontecer um acidente.
Para a nossa surpresa, ela chegando cada vez mais perto. Quando vi, ela estava passando a tromba nas minhas pernas. Hahaha Foi emocionante e engraçado porque ela passava a tromba como se estivesse procurando alguma coisa para comer.

Depois continuamos a caminhada e fomos para a segunda elefanta. Essa já era mais idosa e podíamos encostar, mas com muito cuidado também. Everaldo se aproximou e ela parecia pedir carinho. Pronto, nos apaixonamos. Ela tinha um olhar que parecia dizer que confiava em nós.
Quando fui tirar foto com ela, eu senti uma emoção tão forte e ao mesmo tempo tristeza em pensar no que ela já devia ter passado. Para ela deixar nos aproximar daquela forma é porque ela já era acostumada com humanos e não deixa de ser triste.
A vontade que dá é de abraçar, fazer carinho, conversar. Quando encostei a cabeça na dela, ela fechou os olhos. Como não amar?
Continuamos o passeio, vimos mais elefantes e outros animais.

O almoço foi todo vegetariano, mas era uma infinidade de opções e a comida deliciosa. Mesmo quem não gosta de comida vegetariana, come bem lá.
Depois do almoço foi a hora do banho! Pudemos dar banho e foi bem divertido, mas muito rápido, tipo, 5 minutos.

O restante do passeio foi mais tranquilo. Pudemos ver os elefantes comendo, demos outra volta pela propriedade e umas 16h voltamos para o carro e voltamos para casa.

Foi sensacional. Um dos dias mais marcantes da minha vida! Recomendo demais fazerem esse passeio. Lembrando, claro, de procurarem centros de reabilitação e NUNCA ANDAR NOS ELEFANTES.

Chiang Mai – Tailândia

Pegamos o trem noturnoem Ayutthaya e no outro dia às 08h da manhã chegamos em Chiang Mai. Pegamos um “camburão” e fomos direto para o hotel deixar as bagagens! Para nossa sorte, o quarto triplo já estava disponível e pudemos deixar as coisas, tomar banho, nos arrumar e sair.

Em Chiang Mai ficamos hospedados no Good Sleep, um hotelzinho pequeno, simples, mas bem localizado e charmoso! Todo mundo amou! O atendimento excelente, pessoas muito hospitaleiras desde o começo. Liberaram nosso quarto que estava disponível e isso agilizou muito a nossa vida! rs Pegamos mais um quarto triplo e outro duplo e de novo, o quarto triplo era bem maior, mais bem decorado. O café da manhã era simples, com poucas opções, mas todo mundo adorou. Comida deliciosa! Detalhe, o café da manhã ficava junto da recepção. Como na Tailândia é muito quente, as roupas ficavam podres de sujas e suadas, então a gente mandou lavar no hotel mesmo e foi a melhor coisa! À noite mesmo entregavam tudo bonitinho e o preço foi ótimo (nem 22 reais por 24 peças de roupa).

Pagamos R$312,00 para 3 diárias.
Podem reservar pelo Booking mesmo que não tem erro. Nesse link aqui!
Perto do nosso hotel tinha um restaurante minúsculo e simples, mas com comida vegetariana deliciosa e barata! Viciamos no rolinho primavera de lá! Eu comi esse sanduíche e adorei!

  • Wat Chedi Luang: fomos à pé mesmo. Aliás, aqui a gente anda muito, só pegamos algum transporte quando é muito longe ou estamos muito cansados ou está muito tarde. Lugar incrível e muito menos gente! Também era um pouco menos rígido com relação à roupa, podia ir de regata e jogar um lenço por cima. Entrada: R$2,00.
  • Wat Phra Singh Woramahawihan: Lindo demais!!!!!!!
  •  Royal Rose Garden, um lugar maravilhoso e que depois descobrimos que é a casa de verão da família real. Para entrar, tivemos que usar um colete e os meninos tiveram que colocar uma calça, pois estavam de bermuda.
  • Logo depois tem uma comunidade. Várias lojinhas no caminho e uma das vistas mais linda da viagem.

  • Bhuphing Palace. Lá tem uma escadaria gigante, mas subimos por um teleférico (não sei nem se pode chamar assim, mas ok) e descemos pela escada (cansa, viu?) rs.
  • Night Bazaar e no sábado, Saturday Night Market. À noite sempre tem umas feirinhas em Chiang Mai. Nessas feirinhas você encontra de tudo!!! Desde comidas até coisa para a casa. E os preços são bons!
  • Art in Paradise, Chiang Mai 3D Art Museum:  Ótima opção de passeio que foge um pouco de templos e é super legal! Adoramos! Passeio perfeito para as crianças e para os adultos.  Sobre: “Art in Paradise (Chiang Mai)”, o primeiro Illusion Art Museum de Chiang Mai, apresenta Illusion Art, a arte da pintura que exige técnicas e conhecimentos na pintura em uma superfície plana em um “3D” e dando um sentido de arte realista.
O valor da entrada foi de R$50,00 (valor em Março de 2017) por pessoa. Mais informações e endereço no site: http://chiangmai-artinparadise.com/introduct.php
 Beijos!!!

Trem noturno Ayutthaya – Chiang Mai

Nossa intenção ao colocar Ayutthaya era só de passar o dia mesmo, então optamos por pegar um trem noturno de lá para Chiang Mai (outra opção seria fazer um bate e volta de Bangkok).
Vi em alguns blogs que eles compraram os bilhetes do trem pela internet e pediram para deixar no hotel e que foi super tranquilo. Resolvi arriscar e deu tudo muito certo!
Comprei as passagens pelo site: Thailand Train Ticket e custou R$200,00 o casal na segunda classe e pedi para entregarem no hotel que ficamos em Bangkok. Obs: lembre de avisar ao hotel que deixarão as passagens lá. Chegando no hotel, nossas passagens já estavam lá. Ah, e eles respondem os e-mails em pouco tempo.

Chegamos com antecedência na estação, mas só decidimos comer quase na hora de sair. Kkkk Mas recomendo esse restaurante, o The Station, que tem lá. Super arrumadinho, comida gostosa e ainda dá para usar o banheiro e o wi fi antes de viajar.

Nosso trem chegou sem muito atraso e a pessoa que estava organizando as entradas foi extremamente atenciosa e divertida. 20h já estávamos partindo.

No trem tem como comprar comida e na parte do restaurante tinha wi-fi. Só isso que achei ruim, pois nos vagões não tinha sinal e na preguiça não fomos comprar comida. Rs Mas, o cansaço estava tão grande que todos fomos dormir.

 Eles foram as camas, tem travesseiro e cobertor (na foto estou usando o que eu levei mesmo). A divisória é essa cortina mesmo, mas achamos tranquilo. As mochilas colocamos embaixo da cama.
Viagem super tranquila e confortável! Se soubéssemos que seria assim, teríamos comprado nossa volta para Bangkok de trem e não de avião (vamos voltar para Bangkok para pegar outro voo para o Camboja).
Vale muito a pena! Adoramos a experiência.

1 dia em Ayutthaya – Tailândia

No terceiro dia de viagem, acordamos bem cedo para pegar a estrada para Ayutthaya. Nossa intenção era passar o dia e de lá pegar um trem noturno para Chiang Mai.
Pegamos um táxi que nos deixaria na estação de trem para irmos à Ayutthaya, uma cidade pequena que fica a 80km de Bangkok.mas, negociando com o cara, ele foi nos deixar lá. Pela comodidade, foi ótimo! Ainda deu para dormir a viagem toda. Rs!
Nós só passamos o dia, então optamos por alugar só um quarto em um hostel barato (R$54,00 que dividimos entre 5) e bem localizado para poder deixar as mochilas e tomar um banho antes de seguir viagem. Chegamos, deixamos as coisas e lá mesmo e no final do dia voltamos para tomar banho e ir para a estação de trem.
Alugamos 5 bicicletas por R$5,00 para o dia todo (por pessoa). Foi a melhor opção! Uma delícia andar de bicicleta e economizamos dinheiro e tempo.

Em Ayutthaya visitamos três templos, o Wat Maha That, o Wha Phra Sri Snaphet e o Wat Lokkayasutharam. A história da cidade é bem triste. Em 1765 a Birmânia derrotou Ayutthaya em uma guerra que durou dois anos e destruiu 1.500 templos e decapitou 4.000 estátuas de Buda. Eu senti falta de ter um guia contando sobre a história de lá, explicando, ou até mesmo de ter estudado sobre o lugar antes de ir.

Quanto ao clima, achei Ayutthaya ainda mais quente que Bangkok, mas como estávamos de bicicleta, foi menos cansativo, mas terminamos o dia exaustos!

Almoçamos em um lugar ótimo chamado Coffee Old City. Um dos melhores restaurantes da viagem!

 Os sucos aqui são maravilhosos! Esse de abacaxi estava ótimo! Custou R$6,50 e vem muito. Para comer pedi um spaghetti com molho carbonara, mas vegetariano.
Aí voltamos para o hostel, tomamos banho e fomos andando até a estação de trem. Ainda deu tempo de comer – correndo – um lanche. Lugar lindo e comida muito gostosa!!! Recomendo e vou falar sobre ele no próximo post!
Pegamos o trem noturno de Ayutthaya para Chiang Mai. Comprei as passagens com um mês de antecedência e a primeira classe já tinha esgotado. Ficamos receosos com a segunda classe e nos surpreendemos. Muito confortável! No próximo post vou detalhar essa viagem ótima de trem na Tailândia.

Bangkok – Tailândia 2017

Nossa viagem dos sonhos começou por Bangkok, a capital da Tailândia. Foi o lugar que menos queríamos conhecer, então ficamos lá durante um dia e meio e só.
Escolhemos o Dang Derm e adoramos. 3 diárias por R$270,00 e um bom hotel! O hotel é muito bem localizado, fica na Khao San Road, rua super movimentada e cheia de bares, restaurantes, vendedores, barraquinhas, massagens… TUDO! Mas, aí vem o ponto negativo para quem não consegue dormir com barulho: as festas vão até as 3 horas da manhã! Nosso quarto dava de frente para a rua, então parecia que a música estava dentro do quarto, mas o cansaço que a gente chegava era tão grande que apagávamos e não nos incomodou. O atendimento do Dang Derm foi excelente! Aliás, na Tailândia as pessoas são muito hospitaleiras. Inclusive, eles me ajudaram muito com a questão da mochila extraviada, ligando para o aeroporto e falando com o pessoal de lá. Recomendadíssimo!!!!

Endereço: 1 Khaosan Road, Pranakorn, , 10200 Bangkok, Tailândia

  • Templo Wat Arun: para tentar ver o por do sol, até conseguimos ver, mas do barco.
  • Grand Palace: (todos esses templos fomos andando mesmo, coisa de 2km a pé). A intenção era sair do hotel cedo e chegar assim que abrisse o templo, mas acabamos chegando lá um pouco depois e já estava bem cheio para entrar. Vários grupos de excursões. A entrada custou R$50,00 por pessoa.
  • Wat Pho (o templo do Buda reclinado). Estava bem menos movimentado.
  • Gold Mount. Lindo, demais! Tem uma escadaria, mas pelo caminho são tantas lindezas que não tem como não parar e fotografar. R$2,00 a entrada!
Chegando em Bangkok, assim que chegar na área do aeroporto procure logo o Health Control para mostrar sua carteira de vacinação, pois se você for direto para a imigração, eles vão te mandar ir até esse lugar e depois voltar e as filas costumam ser enormes.

Almoçamos no Green House e eu pedi logo o famoso Pad Thai com vegetais e ovos (R$9,00). Eu não achei ruim, mas também não foi aquela comida deliciosa. Os sucos aqui são maravilhosos e também os rolinhos primavera! Em todos os lugares que comemos, pedimos de entrada (R$13,00 porção com 4).

Em alguns templos é proibido usar roupas curtas, por exemplo, no Grand Palace. Por ser um dos lugares mais importantes de Bangkok, eles são bem rígidos com relação às roupas. Nada de roupa curta, nem shorts, nada de ombros de fora, decotes, transparências. Eu usei uma saia longa e uma camiseta e foi ok. Everaldo estava de bermuda e teve que comprar uma calça lá (R$10,00). Detalhe, nesse templo, nem essa história de ir de regata e colocar um lenço por cima funciona, tem que ser camiseta mesmo. É ruim porque é muito quente, mas fazer o quê, né? Ah, e vá de chinelo, pois a maioria dos templos, para entrar, precisa tirar os sapatos e é horrível ficar colocando e tirando tênis (sem contato o calor também!).

Resumindo: roupas leves por conta do calor, mas que cubram os ombros e joelhos pelo menos.

Nós andamos bastante de tuk tuk por lá. São econômicos, mas acho bastante imprudente e perigoso, mas fazer o quê, né? Tem que andar pelo menos uma vez para ver como é. Também vale a pena dar uma olhada em Uber, pois pegamos em Chiang Mai e foi bem legal, econômico.

Do aeroporto para o hotel pegamos táxi mesmo. O valor era tabelado, mas foi bom e direto para o hotel.

Claro que fizemos massagens!! Por R$20,00 você faz uma massagem incrível nas costas, ombros e cabeça ou nas pernas e pés (além da infinidade de outras opções que tem!). Nós fizemos a primeira e foi muito bom, eu até cochilei! Kkkkk
 Beijos!

Como foi voar pela Lufthansa e Air China (Tailândia)

Em Outubro de 2016 compramos nossas passagens Brasil – Tailândia pela Decolar.com e custou R$5.200,00 (casal com taxas inclusas) saindo de São Paulo. Foi uma pancada grande, mas que dividida em vários meses, foi ok de pagar.
Saímos de SP no dia 4 de Março. Nós compramos as passagens da Air China, mas o trecho SP – Alemanha e Alemanha – China foram ambos operados pela Lufthansa. Chegamos em SP com bastante antecedência, mas a companhia aérea só começou a operar depois das 13h. Fizemos o check in e despachamos as bagagens sem nenhum contra tempo, graças a Deus!

A primeira parte da viagem, SP – Alemanha, durou 10 horas e 40 minutos. Pontual e organizado. Atendimento muito bom pela Lufthansa, comida o tempo inteiro (snacks, janta e café da manhã, bons e com opção vegetariana!). No avião tem disponível uma manta e um travesseiro e a parte do entretenimento foi MUITO BOA! Filmes que ainda estão passando no cinema aqui, já estavam disponíveis lá (Moana e La La Land, por exemplo!).

O que eu não gostei: as cadeiras são super apertadas e a nossa mal reclinava, então foi bem desconfortável, ainda mais por ser uma viagem tão longa.
Chegamos na Alemanha e corremos para a área de conexão. Tivemos que passar por toda a burocracia de raio x, mas também não tivemos problema.
O segundo voo, também Lufthansa. Apesar de mais confortável, eu não consegui dormir nada por conta do fuso! Para piorar, não podia ligar o celular e a parte de entretenimento era péssima. Pense numa viagem que demorou para chegar!
A conexão na China foi de apenas duas horas, então foi uma correria grande. Primeiro, assim que descemos do avião, pensamos que íamos congelar! Estava menos quatro graus! rs! A parte da burocracia na China foi mais chata e demorada e por isso tivemos que correr para pegar o voo.
O último voo, China – Bangkok foi pela Air China e a aeronave era bem menor, mas viagem tranquila e a comida estava deliciosa, apesar de apimentada!
Bom, em resumo, a viagem foi muito longa e cansativa (31 horas no total). Eu recomendaria demais parar em algum país da Europa e passar pelo menos 1 dia antes de seguir viagem, fica bem menos cansativo. Também teve o problema com a minha mochila que não chegou junto com a do restante da galera. Mas, com relação a isso, os atendentes da Air China foram maravilhosos! No outro dia já deixaram a mochila em nosso hotel e estava exatamente igual foi despachada.
Resumo:
– 31 horas de viagem (duas conexões – Alemanha e China)
– Comida muito boa
– Desconfortável
– Entretenimento bom em um voo e ruim no outro.
– R$5.200,00 (ida e volta casal + taxas) saindo de São Paulo.
– Levem um kit de higiene pessoal com: lenços umedecidos, escova de dente, pasta de dente, lenço de papel, desodorante, álcool em gel, care free (tudo em embalagens das menores possíveis!). Em todas as conexões a gente corria para o banheiro e “tomava um banho de gato” e dava um alívio enorme para aguentar as próximas horas de viagem).
– Dramin: consulte um médico e veja se você pode tomar, pois além de ajudar para não enjoar, também dava sono!
– Eu levei almofada de pescoço e uma manta na mochila de mão e acabou não sendo tão necessário assim, pois no avião eles disponibilizam.
DICA VALIOSA!
Minha mochila não chegou junto com a do pessoal. Só foram encontrar e me devolver no dia seguinte, às 12h. Se eu não tivesse colocado metade das minhas coisas na mochila de Everaldo, com certeza eu teria ficado doida. Então, se você for viajar com alguém, dividam as coisas entre as malas, pois se acontecer de uma delas não chegar, o prejuízo fica dividido e você tem algumas coisas para usar.
Beijos!

Hotel Monreale SP – próximo ao aeroporto de Guarulhos

Bom diaaa, galera!
Para variar, caí da cama logo cedo para trabalhar e já aproveitei para começar os posts da viagem.
Bom, nós saímos ontem de Recife e nossa primeira parada é São Paulo. Como nosso voo para a Ásia é só hoje (sábado), a gente preferiu vir na sexta e dormir por aqui. Escolhemos um hotel que fosse próximo ao aeroporto de Guarulhos tanto para não ficar cansativo o translado, como também para não correr o risco de pegar engarrafamento.
Escolhemos o Hotel Monreale e super recomendo. Realmente fica próximo (gastamos cerca de 20 minutos mais ou menos) e o melhor, eles tem o próprio ônibus que fica fazendo o translado hotel – aeroporto – hotel (praticamente a cada 1 hora e não precisa pagar nada.

Os quartos são grandes, muito limpos, tudo muito bom. Pagamos R$200,00 mais ou menos no quarto triplo e R$150,00 mais ou menos no quarto duplo.

Tem wi-fi, café da manhã incluso e gostoso, academia, etc.

Ótimo custo x benefício! Fizemos a reserva pelo Booking, como sempre e não tivemos nenhum problema!
Onde fica: Rua DR Ramos de Azevedo, 100, Guarulhos, SP